Unicamp perde 22 posições em dois anos em ranking internacional

Universidade Estadual de Campinas aparece na 55ª posição entre as melhores universidades dos países de economia emergente da Times Higher Education (THE).

Por G1 Campinas e região

Vista aérea do campus da Unicamp, em Campinas (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

Vista aérea do campus da Unicamp, em Campinas (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

A Unicamp perdeu 22 posições em dois anos, mas manteve-se no ranking das 100 melhores universidades dos países de economia emergente da revista britânica Times Higher Education (THE), divulgado nesta terça-feira (18).

  • 2020: 55ª colocação
  • 2019: 40ª colocação
  • 2018: 33ª colocação

De 33ª em 2018 para 55ª neste ano, a universidade de Campinas (SP) manteve-se como a segunda melhor do Brasil, atrás da Universidade de São Paulo (USP), que ocupa a 14ª colocação.

Foram classificadas 533 instituições de ensino de 45 países, e de acordo com a revista foram utilizados como parâmetro de análise índices como ensino, pesquisa, transferência de conhecimento e internacionalização.

Em nota, o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, avaliou a classificação como positiva.

“É importante uma posição de destaque entre as 100 melhores universidades de economias emergentes. Há milhares de universidades no mundo, e estar entre as 100 melhores é motivo de orgulho, junto com outras universidades públicas brasileiras”, disse.